Memórias do Arraiá

10 de julho de 2018

 

O fotógrafo, Jesser Oliveira, fotografou o Arraiá Calça-Curta 2018, apenas em preto e branco. As fotos viraram memórias, em forma de textos, nas mãos de alguns amigos do fotógrafo. Hoje publicamos a segunda.

Suas canções brotam do improvável lugar, da paisagem em preto e branco da Caatinga nordestina, repleta de tons de cinza, contrastantes, apenas, com o brilho da voz pungente e possante desse “caboclo sonhador”. Caatinga tingida de sombras que, paradoxalmente, abrigam suas cantigas caleidoscópicas pelo colorido das notas melodiosas, debulhadas pelos dedos nos baixos e teclas, a nos lembrar das mulheres sertanejas debulhando feijão de corda, dada a naturalidade do cultivo da horta rítmica e a fértil alegria da safra harmoniosa.

Artesão do forró, seu território é o roçado queimado, terra tostada de tanto girar-Sol; seu território musical tem suas raízes fincadas naquele pé de serra de Exu – terra do Rei. Lá, aonde só se pode chegar sem automóvel, olhando o orvalho, ouvindo o canto do galo, caminhando pela “Estrada de Canindé”. Lá mesmo, naquele pé de serra, onde morava o seu “Januário Véi” está submerso o seu umbigo musical.

Sua sanfona é moderna, tem cento e vinte baixos, mas aprendeu desde sempre a respeitar os oito do pai de Luiz, e – precisamente por venerar essa raiz regional – pôde expandir os seus galhos coloridos sobre a floresta universal, atingido os nossos sentidos, numa lúdica profusão de “Espumas ao Vento”… E não é coisa de momento, mania que dá e passa… Não, o Flávio José é atemporal! Há uma lágrima na sua voz monumental que enternece nossos áridos corações. A cadência malemolente do seu autêntico forró prende nossos corpos a um balançado frenético e, por assim dizer, irresistível.

Tal como o José, de Drummond, o Flávio é um cosmopolita, como o são todos os grandes mestres, que com simplicidade e sofisticação devotam seu olhar às miudezas do próprio quintal. Sua música agrada a todas as classes e perfis; sim, ele aprendeu com o “Velho Lua” e com o Dominguinhos a alquimia da canção e, destes é a mais viva expressão, levando adiante a tocha sonora dessa mesma tradição.

Com a mesma naturalidade que os dedos do Flávio passeiam nas teclas e baixos ou que seus braços arrastam o fole do acordeon, e com a simplicidade com que sua voz nos absorve para dentro das melodias, assim também somos guiados, sem nos darmos conta, para o paradoxo mais sutilmente abissal deste forrozeiro singular, a saber: sua música emerge das cinzas do roçado da caatinga, do mundo em preto e branco do sertão nordestino, para explodir em cores de alegria o coração cansado da minha gente gira-Sol!

Foto: Arraiá Calça-Curta 2018 em preto e branco, O Cangaceiro de Cócoras, por Jesser Oliveira
Texto: O artesão do forró na terra do girassol 🌻🌻🌻🌻🌻🌻, por Gil Guimarães

 

Transparência

Atendimento

  Endereço

Av. Odonel Miranda Rios, 45 1º andar Centro


  Horário

Segunda a sexta-feira das 08:00 às 12:00 das 14:00 às 18:00


Telefone

74 3627 2122

IBDM-Modernização validator w3c