Memórias do Arraiá

3 de julho de 2018

O fotógrafo, Jesser Oliveira, fotografou o Arraiá Calça-Curta 2018, apenas em preto e branco. As fotos viraram memórias, em forma de textos, nas mãos de alguns amigos do fotógrafo. Hoje publicamos a primeira.

 

Não sei dizer ao certo quando aquilo começou. Os ensaios tinham sido frequentes e eu estava em perfeito domínio dos passos e da coreografia, então, não era medo, insegurança, timidez. Era uma sensação de coisa solta na barriga. Mas antes que pensem que ia dar em merda, literalmente, antecipo que não tinha nada a ver com efeito de muita canjica ou licor que pudesse causar qualquer tipo de desarranjo intestinal. Inspirei fortemente, inflando o abdômen e fui soltando o ar bem devagar, acompanhando o movimento lento da barriga que murchava à medida que expirava. Repeti o exercício mais algumas vezes…, mas a coisa continuava ali, solta na barriga. Fui caminhando em direção ao salão onde nos arrumaríamos. Brígida, que também se arrumava para a apresentação, perguntou se eu estava bem e eu prontamente respondi, fingindo despreocupação, “bem até demais, Bri!”

Já vim vestido na calça cáqui, pus o casacão do mesmo tecido sobre a camiseta – afinal, além daquela coisa solta na barriga, fazia muito frio na baixada – passei o cinto de fivelão, ajustei as botas, pus o chapéu de cangaceiro…e parei. A coisa chacoalhou na barriga. Dei um tempo pra que se acomodasse e passei a cartucheira por um braço e… a coisa deu saltos na barriga. Pensei em desistir. Mas uma mão continuou seu trabalho e dessa vez agarrou a falsa espingarda e, alheia, pendurou-a nas minhas costas. Por fim, essas mãos que me ignoravam, amarraram o lenço em meu pescoço. A Coisa chegou até a garganta e eu torci para que ela saltasse goela afora, mas ela permaneceu ali. Pronta.

Alguém chegou na porta e anunciou que era hora da quadrilha se apresentar. A praça estava cheia. Colocamo-nos em posição e a música começou.

Então, eu entrei em transe. Ficou a Coisa, consciente de si. Eu e ela, eu-ela, a Coisa, dançamos toda a quadrilha, vibrando, em espírito e carne. E a coisa era a essência.

Foto: Arraiá Calça-Curta 2018 em preto e branco, O Cangaceiro de Cócoras, por Jesser Oliveira
Texto: A Coisa, por Léa Rios

Transparência

Atendimento

  Endereço

Av. Odonel Miranda Rios, 45 1º andar Centro


  Horário

Segunda a sexta-feira das 08:00 às 12:00 das 14:00 às 18:00


Telefone

74 3627 2122

IBDM-Modernização validator w3c